“Como mulher e artista trans estava ligada a um sistema que me conduzia a um tipo de obra”, afirma Élle de Bernardini

“Como mulher e artista trans estava ligada a um sistema que me conduzia a um tipo de obra”, afirma Élle de Bernardini

Sonia Racy

10 de setembro de 2020 | 00h42

ÉLLE DE BERNARDINI – FOTO: IARA MORSELLI/ESTADÃO

Élle de Bernardini está abrindo sua primeira mostra individual na galeria Kogan Amaro hoje, mediante agendamento. Nem Tudo que Reluz é Ouro toca em assuntos como o processo de ser artista, suas dores e alegrias. “Percebi que como mulher trans e artista trans estava ligada a um sistema que me conduzia a um determinado tipo de obra. Esperavam sempre que eu falasse dessas questões. Essa exposição é uma quebra disso”.

Tudo o que sabemos sobre:

Élle de Bernardini

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: