Comissão de Ética avalia pedido de desculpas do 03

Comissão de Ética avalia pedido de desculpas do 03

Sonia Racy

05 de novembro de 2019 | 00h45


EDUARDO BOLSONARO. FOTO: ESTADÃO

O pedido de desculpas de Eduardo Bolsonaro – que defendeu o AI-5 – “deve ser considerado”, ponderou à coluna o presidente do Conselho de Ética da Câmara, Juscelino Filho. O deputado, que é do DEM do Maranhão, diz que “não se dá por satisfeito” mas admite que “há um reconhecimento do erro cometido”. E esclarece que, para não haver queixas, “seguirá rigorosamente” o Código de Ética da Casa.

O pedido de cassação do deputado do PSL, feito pelo líder Alessandro Molon e pela Rede Sustentabilidade, não chegou ainda à mesa do Conselho. Mas é sabido que a maioria, por lá, é favorável ao filho do presidente.

Precedentes na Câmara
jogam a favor do 03 

Os precedentes contam a favor de Eduardo. Nos últimos 17 anos, apenas sete parlamentares foram cassados – com destaque para Eduardo Cunha e José Dirceu. No entanto, só neste ano houve 10 pedidos de cassação.

Isso ajuda ou atrapalha? “Aí depende do relator. Eu só voto em caso de empate”, esquiva-se Juscelino. Em resumo, o caso pode ficar só na pena leve: censura, verbal ou escrita ou suspensão de prerrogativas regimentais – como por exemplo integrar comissões e relatar projetos.

Guerra de palavras no
acordo UE-Mercosul

O que era uma batalha comercial entre Mercosul e União Europeia está virando, literalmente, uma guerra de palavras. Na negociação do acordo entre os dois lados, o nome gorgonzola, por exemplo, poderá ser usado nos produtos brasileiros, mas não nos de Argentina, Paraguai e Uruguai. Quanto a champagne, vai sair de cena a expressão “método champenoise”, para identificar o espumante.

Esses e outros termos estão na agenda do seminário de propriedade intelectual que CNI e INPI organizam hoje, em SP, em parceria com a Organização Mundial de Propriedade Intelectual.

TCU vê falta de inclusão
digital na Amazônia 

Levantamento do TCU aponta que o Programa Amazônia Conectada, destinado à inclusão digital no Amazonas, está muito longe de atingir suas metas, entre as quais reduzir as desigualdades.

Criado em 2015 por iniciativa do Exército, ele previa cobrir 7,8 mil quilômetros de cabos de fibra óptica em 52 cidades e atender 3,8 milhões de pessoas. No momento, só tem 850 quilômetros e interliga seis cidades.

Devagar, obras avançam
no Parque Augusta

Preparações para o início das obras do Parque Augusta já estão acontecendo no terreno. Além da demolição de áreas não tombadas, parte do solo está passando por uma descontaminação. A terra, que abrigava um estacionamento de carros e era próxima a um posto de gasolina, será trocada.

Parque Augusta 2 

A demolição do muro que divide a rua Augusta e o parque ainda é um impasse entre Secretaria do Verde e o movimento Parque Augusta. Na opinião do coletivo, o muro filtra a poluição e o barulho da rua e não deve ser derrubado. O início oficial das obras está marcado para janeiro.

Incentivo

O curso de Maquiagem do Fundo Social de São Paulo tem sua primeira formanda. Janaína (nome fictício), que cumpre medida socioeducativa na Fundação Casa, fez o curso via convênio das duas entidades e parte, agora, para um novo curso.

Octogenária

A Sinfônica Brasileira, que completa 80 anos em 2020, prepara um livro sobre sua existência, com fotos históricas e um apanhado de apresentações marcantes, para lançar em 2020.

 

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.