Gastronomia a serviço da paz

Gastronomia a serviço da paz

Sonia Racy

26 de novembro de 2017 | 00h35

Para Sheila Mann e seu genro, Marcos Shayo fabricar e vender homus não é apenas um negócio ou uma paixão gastronômica, mas a oportunidade de fazer a diferença no mundo.

A dupla, engajada e militante pela paz nos países do Oriente Médio, tomou uma decisão na hora de empreender: só empregariam mulheres e de diferentes religiões. “O conflito parece muito longe de nós e o homus é o alimento em comum entre aqueles países”.

“Pensando no convívio entre as diferenças admiti duas refugiadas sírias e no contrato social da firma, tem a cláusula de doar 10% dos lucros para entidades que trabalham pelos direitos humanos”, afirma Sheila.

Leia mais notas na coluna:

Huck não se pronunciará formalmente sobre candidatura

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: