Com tudo

Sonia Racy

01 de novembro de 2010 | 10h20

E o Brasil ganhou sua primeira mulher presidente, que assume com o conforto de ter um Congresso a seu favor. Na Câmara, Dilma poderá contar com mais de 350 dos 513 parlamentares. No Senado, a coligação controlará a maioria. Na prática, a escolhida de Lula, ironicamente, desfrutará o que Lula – ou qualquer outro antecessor -, não teve: o apoio do Congresso, com poder para aprovar até mudanças na Constituição.

Desafio maior? O de suceder o presidente mais popular da história política brasileira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: