Diretor alega censura de Festival de Teatro de Brasília por obra com imagens de Bolsonaro

Sonia Racy

09 de dezembro de 2020 | 00h50

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Adriano Machado/Reuters

A performance audiovisual Ué, eu ecoa ocê’u é eU?, criada especialmente para o encerramento do Festival Internacional de Teatro de Brasília Cena Contemporânea, será exibida, na sexta, em sua versão… censurada.  

 Segundo Celso Sim – que dirige esta obra específica do festival com Cibele Forjaz –, a diretoria do evento vetou cenas com imagens de Bolsonaro e do general Mourão. “Refiz as cenas, desfocando as imagens, e coloquei tarjas pretas indicando a censura. Quero explicitar o que aconteceu”, esclarece o diretor.  Segundo ele, a explicação para os cortes seria a de que as cenas violariam os termos do patrocinador, o Banco do Brasil. 

Indagado, Guilherme Reis, diretor do festival, afirma que não houve censura por parte do patrocinador. “Eles nos deram total autonomia curatorial”. 

 Diz que a decisão foi uma maneira de proteger o festival. “Qualquer pessoa retratada da forma que a dupla retratou, sendo ou não o presidente ou vice-presidente, se sentiria ultrajada”.  

Ele afirma que conversou com os autores sobre possíveis soluções para a questão e consultou advogados. Reis diz que apenas concordou com a ideia dos diretores de colocarem tarjas. Mas reafirma que não houve censura do BB. “Não nego o momento difícil de desmonte das artes, mas não recebi ordens para cortes”.

Consciência… 

Organizado pela Força Aérea, o almoço de fim de ano de Bolsonaro com a alta cúpula das três forças ocorrerá em versão reduzida hoje – diferentemente das edições passadas que chegavam a ter 300 pessoas. 

Foi cancelada ainda a tradicional solenidade de cumprimentos aos militares promovida no Palácio do Planalto. 

…mas nem tanta 

 Entretanto, na maratona de formaturas em escolas militares que o presidente fez nos últimos dias, ele deixou recado implícito de defesa da abertura das escolas e universidades. 

 Ponte Jerusalém  

 O Instituto Brasil-Israel fechou parceria com a FLIP para realização de seis mesas com autores como Amos Gitai, Ayelet Gundar-Goshen, Adriana Carranca. Nos dias 12 e 18, pelo canal da Flip no YouTube. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.