Com consumidor em casa, cresce 18% venda de margarina, diz Lorival Luz, da BRF

Sonia Racy

20 de maio de 2020 | 00h41

LORIVAL LUZ, DA BRF – FOTO: MARCELO COELHO

Entre os produtos de primeira necessidade consumidos no Brasil durante essa quarentena, há um que se destaca: o consumo de margarina.

Entre março e abril, segundo contou ontem à coluna Lorival Luz, presidente da BRF, o crescimento de vendas de margarina produzidas pela empresa foi de… 18% em relação aos primeiros meses do ano.

Motivo? Simples: com o consumidor preso em casa, a margarina acabou se destacando por ser um produto “coringa” em receitas, como bolos, tortas e salgados.

“A nossa Qualy é líder de mercado com 42% de market share”, conta Luz. “Ao todo, temos 56% de participação neste setor”, explica o CEO.

Reforço

Por pedido de Bruno Covas ao Estado, os dois mil fiscais das subprefeituras da cidade vão passar a ser acompanhados por policiais militares no trabalho de conscientizar ambulantes e comerciantes a manterem estabelecimentos fechados.

Mais de 200 deles, todos não essenciais, foram interditados. E, em caso de resistência, o alvará de funcionamento pode até ser cassado.

Copycat

Existem planos no governo Bolsonaro para adiantar feriados, a exemplo do que fez Covas. Estaria na mira, por exemplo, o dia 15 de novembro.

Já o 7 de Setembro dificilmente muda: há muita resistência no Planalto.

Para vira-latas

São Paulo começa hoje a distribuir ração para os milhares de cães que vivem nas ruas da cidade – e que também são afetados pela pandemia.

A ideia é alimentar os animais com duas toneladas de ração doadas pela Royal Canin.

Da China

Depois de ler oito livros, em tempos de covid-19, conhecido investidor resolveu dar um ‘restart’ e esmiuçar a primeira obra que escolheu nessa pandemia do coronavírus: Mao.

Lançada em 2005, pela escritora Jung Chang e seu marido, o historiador Jon Halliday, trata-se de uma espessa biografia de Mao Tsé-Tung.

Na lista de agradecimentos contendo mais de três mil nomes no livro, encontrou os de dois brasileiros: o ex-ministro Nelson Jobim e o jornalista William Waak.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: