Cochilada

Sonia Racy

01 de junho de 2016 | 01h05

A aprovação da CPI do Teatro Municipal, que passou na última quarta-feira na Câmara, poderia ter sido evitada pela base do governo. Ela passou – por votação simbólica – devido a uma cochilada de Alfredinho, o único representante do PT presente em plenário no momento.

“Ele estava distraído”, admitiram depois outros petistas.
O combinado, antes, era que a nova CPI a ser aberta só seria escolhida esta semana.

A comissão vai apurar irregularidades nos contratos e convênios firmados pela fundação do teatro na gestão de José Luiz Herencia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.