CNC desiste de doar R$ 2 bilhões contra coronavírus

Sonia Racy

14 de abril de 2020 | 00h40

Mais de um mês atrás, a Confederação Nacional do Comércio enviou carta protocolada para a Secretaria-Geral da Presidência da República, oficializando a intenção da confederação em doar R$ 2 bilhões, ao governo federal, como ajuda para o combate ao coronavírus.

Ontem pela manhã, José Roberto Tadros, presidente da CNC, recebeu a resposta. O que dizia? A secretaria sugeriu que ele procurasse o Ministério da Economia. “Agora, depois da MP assinada por Bolsonaro, no dia primeiro de abril, cortando, por 90 dias, 50% dos recursos arrecadados para as entidades do Sistema S, não tenho mais o dinheiro”, contou à coluna Tadros. “Portanto, não vou procurar ninguém”.

Dúvida cruel: será que essa demora em responder, somada à edição da MP, tem relação com a determinação de Paulo Guedes, anunciada em dezembro de 2018, de “meter a faca no Sistema S”?

Back to the future

O trabalho em casa, impulsionado pela crise do coronavírus, não pegou todo mundo de surpresa. Depois de vender a Neogama, o publicitário Alexandre Gama criou, há um ano, a Inovation. A agência trabalha t em serviço remoto total, digitalmente conectada, sem sede fixa. E reúne até 200 pessoas remotas ao mesmo tempo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: