Club A

Redação

24 de outubro de 2009 | 10h41

Nem Amaury Jr. imaginaria que duas festas iriam repartir a inauguração de seu Club A. Antes de passar pelo tapete vermelho do WTC, os convidados paravam para fotos e entrevistas com o seu sósia do Pânico, o Amaury Dumbo. Com direito a plateia de “não celebrities” clicando tudo.

O novo clube herda o que já foi o papel do Gallery na São Paulo dos anos 80. Com a repaginação necessária, em tempos de celebridades e lotação máxima, dos que buscam a fama por pelo menos um minuto. Andy Warhol era mais generoso com a turma dos flashs: dava 15 minutos.

O clube privado vem acoplado ao Amaury Jr. – que certamente fará do espaço um set para os seus programas de televisão. Para tanto, cada homem terá que desembolsar R$ 4 mil pela carteira, as mulheres R$ 1,5 mil e os casais, R$ 5 mil.

Lá dentro, quase mil pessoas deslumbravam-se com a ambientação. “Parece o Conrad de Punta del Este”, extasiou-se uma convidada. “Ai, estou no Burj Al Arab, em Dubai”, completou outra.
Os ainda-não-sócios corriam para serem apresentados aos embaixadores. Afinal, só com uma indicação é que é possível ser “member”.

No mais, pista cheia com casais dançando cheek-to-cheek.

Por DOris Bicudo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.