Túnel do tempo

Túnel do tempo

Redação

02 de março de 2010 | 09h10

Alegre, ativo, mergulhado na campanha pela reconstrução do Teatro de Cultura Artística. Este foi o José Mindlin que deu à coluna, em agosto de 2008, uma de suas últimas entrevistas. “‘Sou um otimista incorrigível”, dizia Juca, como era chamado por alguns.

Bem humorado, em recente ocasião em que se encontrou com a colunista olhou-a detidamente, mas não a reconheceu. Informado de quem se tratava, brincou: “Desculpa, minha filha, com o passar dos anos fica difícil reconhecer até quem a gente gosta”.

Intelectual de primeira, bibliógrafo, humanista, há controvérsias sobre o lado empresarial de Mindlin, que participou da criação da Metal Leve, liderada por Samuel Klabin. No entanto, como bem lembra Paulo Francini, da FIESP, “foi ele o primeiro a contribuir para modificar a imagem do empresário. Provou que podemos ser pessoas de pensamento refinado, não necessariamente insensíveis, pensando só em lucro”.

Mindlin foi um humanista. Que, infelizmente, não sobreviveu para ver liberado financiamento do BNDES para restauração dos seus 40 mil livros doados à USP.