Ciro: ‘Se Lula me ligar, é evidente que vou atender’

Ciro: ‘Se Lula me ligar, é evidente que vou atender’

Sonia Racy

20 de novembro de 2019 | 00h33

CIRO GOMES – FOTO: FACEBOOK /REPRODUÇÃO

Aos 62 anos, o ex-ministro diz que não tem idade  para guardar mágoa e até elogia o ex-presidente

Por Cecília Ramos

Se tocar o celular de Ciro Gomes (PDT) e a chamada for de Lula (PT), “é evidente que vou atender”, diz o ex-ministro. Mas… “a conversa terá de ser com testemunha, porque perdi a confiança nele. E só converso se for sobre o futuro do Brasil”, disse Ciro à coluna, ontem, em conexão no Recife seguindo para Belo Horizonte. Nesta entrevista, por telefone, o ex-ministro de Lula conta nos dedos os petistas com que mantém contato e garante que “é balela” que o PT tenha o procurado de 2018 para cá.

Por outro lado, Ciro alega que não é difícil explicar sua aproximação com o DEM e seus elogios ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia. “A ‘petezada’ desonesta já começa a dizer que sou de direita, né? Mas vou continuar falando com o DEM. O Lula, eu já soube, quer conversar com o Rodrigo”.

Na conversa, ele fala das viagens pelo Brasil — chega a fazer mais de três Estados por semana, para tentar se viabilizar em 2022, que pode ser sua última tentativa de virar presidente da República. Aos 62 anos, completos no último dia 6, diz que “não tem idade para guardar mágoa”. E até elogia Lula: “É o maior líder popular do Brasil”.

O senhor tem viajado o Brasil este ano todo. Já fez o balanço de quantas cidades, palestras e entrevistas?
Ainda não. Pedi para levantar isso. E olha que estou repetindo Minas Gerais, Rio Grande do Sul… São Paulo e Rio,por exemplo, eu vou de 15 em 15 dias. Acabei de chegar da Paraíba, estou de passagem aqui pelo Recife, indo para Belo Horizonte. Falo em rádio do interior, dou palestra em cidades distantes. Fico 3 dias em casa, 10 dias fora. Sinto falta do pequeno, que acabou de completar 4 anos (o caçula de Ciro, Gael, fez aniversário dia 16/11).

Considera a eleição de 2022 sua última tentativa de ser presidente da República?
Não preciso ser eu o candidato. Agora ou o Brasil constrói uma alternativa ou vai virar uma ex-nação. Com essas maluquices do Bolsonaro, o Brasil está batendo recordes negativos. Em 10 meses, perdemos competitividade e estamos com a economia na informalidade. Eu não posso dizer que sou eu a alternativa. Se for eu, estou treinado, estou limpo, não peguei vida fácil. E nunca aceitei sucessivas promessas de Lula de que eu seria candidato pelo PT ou apoiado por eles. Minha vida pública foi construída com diálogo e é o que continuo fazendo.

O senhor acha que seu eleitorado vai entender o seu diálogo, sua aproximação com o DEM, com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a quem tem feito elogios? É difícil explicar?
Claro que não. Minha proposta para o país é explícita: é de centro esquerda. Quero governar o Brasil com o trabalhador e os meios de produção. O maior inimigo do Brasil é o rentismo. E o Lula ainda se gaba de, na época dele, os bancos terem lucrado tanto. Eu sei que tenho que abrir o diálogo com todas as forças do Brasil. Não sou um poeta que chegou anteontem na política. Temos uma turma governando o Ceará, que está se industrializando, que reduziu homicídios em 57%. Isso aí é feito com 20 partidos aliados. O DEM é o vice em Fortaleza. Essa turma do PT quer vir agora, para mim, e dar discurso moral?

E sobre sua relação cada vez mais próxima com Rodrigo Maia?
Em fevereiro de 2019, percebi que o Rodrigo não queria ser o candidato do Governo Bolsonaro (a presidente da Câmara), mas sim do Parlamento. E o PT queria fazer terceiro turno. Conheço ele e o pai. Sou amigo de César (César Maia, ex-prefeito do Rio). São homens de palavra. Falei em apoiarmos o Rodrigo e extraímos dois compromissos dele: primeiro, o de obrigar Bolsonaro a jogar dentro da Democracia. O segundo, minimizar danos. Rodrigo deu a palavra e está cumprindo exemplarmente. Ele está se saindo bem. Rodrigo ajudou a impedir uma guerra contra a Venezuela. Ele tem feito ‘os diabos’ para minimizar as maluquices do Bolsonaro. Na Reforma da Previdência, ele cumpriu a palavra com nossos compromissos. Isso é a base do nosso diálogo e vou continuar conversando com Rodrigo. Tivemos uma conversa de profissional sobre as eleições municipais.

O senhor também esteve em Salvador, com o prefeito ACM Neto…
Estive, sim, com ACM Neto. Conversamos sobre (a eleição em) Salvador. Teremos candidato próprio lá e devemos lançar com o DEM na vice. Também falamos sobre o Brasil. A ‘petezada’ desonesta já começa a dizer que sou de direita, né? Mas vou continuar falando com o DEM. O Lula, eu já soube, quer conversar com o Rodrigo.

Nessas suas agendas pelo país, como é a abordagem do público? Ainda cobram sua ausência no 2.o turno das eleições presidenciais, ano passado?
(Risos). Não cobram não. Eu fui para Portugal para me preservar, para ser uma alternativa futura para o Brasil, senão iam tentar me subordinar. O que as pessoas vêm falar comigo no país afora é que elas estão angustiadas com a brutal insegurança sobre o futuro. Minhas palestras têm muitos números, falo da economia. Falo por 1h e deixo mais 1h30 para perguntas. A receptividade é excelente. O público é esmagadoramente de jovens. Eu mesmo fico impressionado como eles estão engajados, embora desconfiados com a política. Agora em Cajazeiras (PB) a fila para o evento dobrava o quarteirão.

Com quase 1 milhão de seguidores no Instagram, quase 800 mil no Facebook e 760 mil no Twitter, o senhor tem usado bastante as redes sociais. Faz live transmitindo ao vivo suas agendas, usa o Youtube… Percebe um engajamento e um feedback maiores dos jovens nas redes?
Totalmente. Quando acabo minhas palestras, esses jovens vão para as redes sociais. Tem grupos nas redes em que acadêmicos, engajados, produzem conteúdo para mim. Esse programa aí da carteira Verde e Amarela (programa de emprego Verde e Amarelo lançado pelo Governo Bolsonaro, dia 11/11), o grupo se reuniu, me deu números, dados, resumiu e eu formo a opinião. Essa turma é coordenada pelo professor da FGV de SP, Nelson Marconi. E nas minhas palestras eu não falo em candidatura, mas de economia, política, como consertar as finanças públicas, falo de emprego, ciência e tecnologia. É um resumo do meu novo livro.

Quando lança o novo livro? Já tem título?
Tem título provisório, mas prefiro só divulgar quando definir. Estou escolhendo a capa e fechamos a editora recentemente. Já está no prelo. Vamos lançar mês que vem, virtualmente. E, em janeiro, nas livrarias.

Como está sua relação com o presidente do PDT, Carlos Lupi?
Perfeita. Ele é um irmão que a vida me deu. Ele tem uma vocação, paciência e habilidade que me faltaram a vida inteira com essa coisa partidária. Ele resolve, dialoga, abre caminho pra mim.

Acha uma contradição criticar Lula e o PT enquanto o seu partido, PDT, é aliado deles de longas datas?
Não. A vida é uma novela, não é uma foto. Eu mesmo fui aliado dele (Lula). O problema é que o país mudou e a burocracia corrompida do PT, não. É uma bola de chumbo que eles amarram no Brasil.

Há alguns anos, Lula diz que o senhor é um “poço de mágoas” e, por sua vez, suas críticas são contumazes ao ex-presidente. Já foi dito tudo?
Eu falo do Lula porque a imprensa me pergunta, como você está fazendo agora. Mas o que eu falo não é pessoal. Só que toda crítica que faço, ele chama de mágoa. É mágoa eu perguntar se ele não tem responsabilidade sobre essa crise brasileira? Quem botou Temer, Dilma, Palocci? Quem empoderou Eduardo Cunha? Sobre isso o Lula não faz reflexão.

Se surpreendeu com a postura de Lula após deixar a prisão em Curitiba? E este fim de semana tem novo discurso dele, no Congresso Nacional do PT, em SP…
Lula não me surpreende mais. Mas confesso que achei que ele fosse fazer uma versão de moderação, examinar o que aconteceu, abrir diálogo com diferentes, se esforçar para pacificar o país… Fazer esse personagem. Mas ele abriu a boca e foi só ódio. A diretriz dele é polarizar e vai continuar assim. Aparentemente, Lula não aprendeu nada (na prisão). Para a Carta Capital, ele disse que errou colocando a Dilma, que nem era um quadro do PT. Agora eles estão ‘sumindo’ com ela. Querem apagar o governo da Dilma.

Mesmo apesar dessa animosidade entre o senhor e o Lula, nos bastidores se diz que ele fala em procurá-lo, seja diretamente ou por interlocutores. Existe esse movimento?
É balela. É pura jogada de Lula. Papo furado! É um enganador profissional. Quando ele foi preso, em 2010, eu estava nos EUA, num painel em Havrad, com o Padilha ( ex-ministro e deputado federal pelo PT-SP, Alexandre Padilha). Passei mal lá. Voltei. E pedi para ir lá em Curitiba. A Justiça negou, eu recorri. O STJ disse que dependia do ‘paciente’ (o preso). E o que fizeram? Entrei na fila (para visitar Lula) e até hoje. E agora ele me vem com essa? De 2018 para cá ninguém me procurou. Pode quebrar meu sigilo telefônico. O Haddad, por exemplo, acho que ficou com vergonha de mim, pelo papel que prestou na eleição do ano passado.

Acha que o Lula repete a estratégia da eleição presidencial de 2018, em que Haddad teria ficado no banco de reserva e virou o candidato no segundo tempo do jogo?
Repete rigorosamente. Quando acontece uma vez, ok, é razoável. Quando repete, é uma tragédia. Haddad é um terceirizado, um poste. Não tenho prazer em falar isso.

Se Lula ligar para o seu celular, o senhor atende?
Evidente que atendo. Se ele ligar, atendo. Mas a conversa terá de ser com testemunha, porque perdi a confiança nele. E só converso se for sobre o futuro do Brasil. O que Lula diz de manhã não serve de tarde. Ele é uma pessoa querida pelo povo, o mesmo povo que eu amo também, que é o povo mais pobre, mas ele tem uma falta de pudor inaceitável. Lula não faz autocrítica, fala como se quem tivesse feito o que fez fosse um alienígena. Ele parece um ombudsman do Brasil. O compromisso de Lula com o Brasil, morreu. Ele só pensa nele e no projeto de poder do PT.

O senhor sempre lembra que não conhece Lula de hoje, que é “um velho amigo de 35 anos”. Hoje, tem alguém que     ‘peite’ o ex-presidente, que faça críticas?
Ele perdeu Márcio Thomaz Basto, Luiz Gushiken, Marco Aurélio Garcia (todos já falecidos), que eram os que diziam as verdades para ele. Hoje, Gilberto Carvalho é sincero com ele, diz o que precisa ser dito, mas ele grita com Gilberto. Gleisi é ridícula (Hoffmann, presidente nacional do PT). Eu sempre fui franco com o Lula, tanto que ele já disse que fui um dos amigos mais leais que ele já teve.

Nesse clima, acredita que dá para fazer a chamada ‘frente ampla das esquerdas’ para combater o Governo Bolsonaro e também com vistas para a eleição do ano que vem?
O Brasil não precisa só de união de esquerda, mas de largueza, muito mais do que o mero gueto de esquerda. Esse governo aí (Bolsonaro) se combate na luta. Nós do PDT e mais o PSB, PV e a Rede estamos com uma dinâmica muito organizada. Já tiramos a estratégia para ver interesses práticos que nos reúnem em 2020, os pontos programáticos… E nós do campo progressista temos nos reunido, sim. Estou filiado ao movimento Direitos Já (reúne nomes da centro esquerda e direita), que tenho até minhas críticas, mas é do jogo democrático. Cade o PT lá? Não vai, porque querem que a pauta seja o Lula. O FHC inventou o tripé macroeconômico. Qual foi a política econômica do Lula, da Dilma e do Temer? A mesma do Guedes (ministro da Economia, Paulo Guedes).

Tem problema em apoiar o PT numa futura eleição?
Eu não tenho problema com militante médio do PT. No ano passado. apoiei Camilo Santana (Ceará), Rui Costa (Bahia), eleitos governadores, e Tião Viana (perdeu no Acre). Minha vida toda é diálogo. Com o Rui (Costa) e o Jaques (senador Jaques Wagner do PT-BA) falo com cera frequência, mas agora estou falando menos para não complicar, porque a confusão deles (do PT) lá está grande.

Acredita que as eleições municipais serão marcadas pelo antipetismo novamente?
Em 2018, quem o PT apoiasse perdia. A força relativa dominante hoje continua sendo o antipetismo. Veja a condição de partida que o PT tem em Porto Alegre, Santa Catarina, Paraná e veja o Sudeste, veja São Paulo, Rio de Janeiro. Você vai ver o que acontece no ano que vem…

Em São Paulo, o PDT pode lançar Marta Suplicy?
O Lupi está conversando com a Marta. Vamos esperar. Ela tem o tempo dela. Temos conversado com o Márcio França (PSB), que pode ser candidato ou não. Podemos lançar o Nelson Marconi, coordenador do meu programa de Governo. Mas uma segurança nós temos: não vamos apoiar o PT em São Paulo. Jamais! Não sei quem vai ser o candidato deles. Falam no Jilmar Tatto, que controla o PT-SP. Mas vá atrás da biografia desse sujeito e veja as conexões que esse camarada tem.

No Rio, Lula teria prometido apoio a Marcelo Freixo (PSOL) para prefeito… Em Fortaleza, seu domínio, o PT ensaia lançar Luizianne Lins. No Recife, ele já sinalizou apoio a João Campos (PSB), herdeiro de Eduardo Campos, e ao mesmo tempo para a prima do socialista, Marília Arraes (PT)…
Lula quer candidaturas próprias em todo canto. Para quê? Para defender ele. Ele engana Freixo. Fizeram juras de amor (em São Bernardo do Campo, após a saída do petista da prisão). No dia seguinte, Gleisi e Gilberto Carvalho estavam no Rio dizendo que Benedita (da Silva, deputada federal do PT) é candidata, como quer Lula. Pouco ele está se lixando para o futuro do país. Lá em Fortaleza, sempre nos enfrentaram e perderam. No Recife, já tiraram a Marília da disputa, de forma vergonhosa, por minha causa (PT retirou a candidatura dela para o PSB apoiar Haddad e deixar Ciro, na disputa presidencial de 2018).

Você está no Recife, vai conversar com alguma liderança? Se o PDT não lançar a candidatura do deputado Túlio Gadelha para prefeito, apoiaria João Campos ou Marília Arraes?
A candidatura do Túlio é certa. Não vou encontrar ninguém hoje. É só uma conexão (do voo). Marília diz que apoia ele, mas não dá para confiar nesse apoio do PT. Sobre apoiar ela ou o João Campos, temos que consultar o PDT no Recife. Eu acho o João um jovem de grande valor, um jovem vocacionado para a política. E tem essa nossa diretriz de apoiar o PSB, que está dentro do campo que estamos conversando. Neste momento, aliás, não há nenhum lugar em que a gente tenha que apoiar o PT.

Suas críticas a Lula são bastante conhecidas. Seria capaz de, neste momento, elogiá-lo?
O Lula é o maior líder popular Brasil. Não o desmereço em nada. Agora ele está fazendo mal ao país, porque só pensa no seu projeto particular de poder. Quero perguntar ao petista moderado: alguém acredita que existiria Bolsonaro, o Bolsonarismo e essa boçalidade senão fosse o lulopetista e suas escolhas? Existiria?

Tendências: