Um olhar global e boas histórias

Um olhar global e boas histórias

Sonia Racy

25 de agosto de 2019 | 00h12

RITA MORAES. FOTO: PEDRO PINHO/NETFLIX

Antevendo uma evolução no mercado de produtoras — que acabou se agravando com a crise atual entre o setor audiovisual e o governo —, Rita Moraes e seu sócio da Losbragas resolveram, há cerca de três anos, investir no desenvolvimento de propriedade intelectual. Para isso, montaram um time de roteiristas que desenvolve projetos com potencial de alcance global, aplicando critérios de produtividade à produção criativa. Um exemplo é a série Sintonia – que estreou este mês na Netflix. “Entendemos que esse formato é mais sustentável e ‘fora da caixa’, por valorizar personagens e histórias em detrimento da prestação de serviços de “produção física”. Além disso, com as novas plataformas, temos a chance de contar boas histórias para o mundo inteiro”, explica a produtora executiva.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: