Chororô

Sonia Racy

01 de agosto de 2012 | 01h09

Matemática é simples assim. O teto dos gastos eleitorais para vereador em 2008 é muuuito menor na comparação com o estabelecido para 2012.

Apesar do choro de inúmeros postulantes dizendo que os empresários fecharam a carteira com o julgamento do mensalão e da CPI do Cachoeira.

Chororô 2

A coligação de Alckmin informou ao TSE, em 2008, limite de R$ 1, 5 milhão, contra R$ 5 milhões estabelecidos pelo arco de alianças de Serra para este ano.

Já a coligação de Marta, em 2008, definiu teto de R$ 1,2 milhão, enquanto a de Haddad registrou R$ 3 milhões.

Chororô 3

José Henrique Reis Lobo, da coordenação da campanha de Serra, justifica o salto: “Os preços de gráfica, publicitários e pesquisas subiram consideravelmente este ano”.

E complementa que a cifra alta serve também como precaução: “Uma vez fixado o teto na Justiça Eleitoral, não se pode mexer nele a não ser em caso de força maior”.