Cheiro de afeto

Cheiro de afeto

Sonia Racy

19 de maio de 2013 | 01h14

Sonia Corazza (Foto: Iara Morselli/Estadão)

Para Sonia Corazza, olfato é afeto. Aos 4 anos, ela brincava no quintal da avó italiana quando sentiu o cheiro que mudaria sua vida: manjericão. Virou perfumista. Mas uma viagem à Suíça transformou sua carreira: viu um médico curando, com aromas, um menino autista. De volta ao Brasil, mergulhou no estudo da Aromacologia e se tornou a única brasileira a integrar o Sense of Smell Institute. “Descobri os benefícios terapêuticos dos cheiros.” Hoje, aos 55 anos, encontrou na flora brasileira essências para tratar doenças da pele e cria aromas para o Kennzur – centro de bem-estar que oferece vivências terapêuticas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.