Casamento via Zoom de Dudu Bertholini teve dança do fogo e lançamento de buquê

Casamento via Zoom de Dudu Bertholini teve dança do fogo e lançamento de buquê

Marcela Paes

28 de maio de 2020 | 00h45

Dudu Bertholini e Gama Higai – Foto: Arquivo pessoal

A ideia de que o amor não pode esperar foi levada a sério pelo casal Dudu Bertholini e Gama Higai. Os dois, que estão em completo isolamento social durante a quarentena, casaram-se no domingo dentro de casa, em uma cerimônia via Zoom. Com duzentas pessoas em média assistindo à celebração no aplicativo (entre entradas e saídas de alguns convidados), a festa virtual durou 5 horas e teve direito à apresentação de dança do fogo direto de Nova York, after com DJ e até lançamento de buquê.

“O nosso laço só aumentou por ficarmos totalmente isolados em casa. A ideia de casar já existia quando completássemos um ano juntos e não quisemos adiar”, explica o estilista e apresentador.

Para Dudu, a cerimônia foi tão emocionante como algo presencial. O casal fez ensaios para saber lidar com a questão dos microfones no aplicativo, programou as falas de pais e padrinhos e, para decoração, contou somente com a ajuda da amiga cenógrafa que já vivia na casa com eles. “Não rompemos a quarentena para fazer a festa. As flores chegaram por delivery e a tenda foi montada com os lençóis que tínhamos aqui. Fazer o casamento dessa forma tem a simbologia de cooperarmos com o momento”, explica. Em sua opinião, a festa provou que os eventos virtuais são uma nova realidade.

Guto Requena e Hugo Caetano – Foto: Arquivo pessoal

Namorando um português, o arquiteto e designer Guto Requena teve que lidar com aspectos burocráticos mais complicados para realizar sua cerimônia no civil – já que os cartórios não estão funcionando com a mesma celeridade. Ele e o economista Hugo Caetano tiveram a companhia de mais dois amigos como testemunha do enlace, em abril. A surpresa ficou por conta da máscara especial de paetês brancos com que Guto presenteou o noivo.

“Hugo se mudou para o Brasil em novembro. Para gente era importante fazer a cerimônia mesmo nesse contexto, por tudo que a comunidade LGBT passa. Tudo foi emocionante. Minha mãe é católica e foi simbólico para ela também”, conta Requena. Para lua de mel, o casal só teve uma regalia: desligar os celulares para ficar, enfim, sós.\MARCELA PAES

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: