Carnaval de Salvador, ‘festa única’ para ACM Neto

Carnaval de Salvador, ‘festa única’ para ACM Neto

Sonia Racy

06 de fevereiro de 2016 | 02h00

S11 SALVADOR 04/02/2016 EXCLUSIVO COLUNA DIRETO FONTE OE CARNAVAL 2016 ACM Neto no Camarote Salvador. Créditos: Charles Naseh.

Foto CHARLES NASEH

Neste carnaval, a coluna fez as mesmas perguntas para três prefeitos de capitais sobre como montaram o “carnaval da crise” e a festa. O primeiro – Salvador começa mais cedo – é ACM Neto, que revela: se pudesse, como cidadão, desfilaria com a fantasia dos Filhos de Gandhy, “símbolo de cultura e paz”, numa cidade “onde convivem muitos ritmos”.

A queda na arrecadação e a situação econômica afetou o carnaval de Salvador?
Não, porque estabelecemos que o limite de gastos para a folia seria o mesmo de 2015. Ou seja, R$ 50 milhões.

Como conseguiu arrumar recursos? Diminuiu a festa?
Pelo contrário, aumentamos em dois dias os eventos pré-carnavalescos e carnavalescos. Além de gerar emprego e renda, a festa movimenta cerca de R$ 1,8 bilhão. Este ano o carnaval está 25% mais vendido que o de 2015 em abadás, camarotes e ocupação hoteleira. A Prefeitura também captou R$ 35 milhões da iniciativa privada, ante R$ 29 milhões em 2015.

Qual foi o seu carnaval inesquecível? Por quê?
Desde os oito, nove anos, meu pai sempre me levou para curtir a festa. Como prefeito, tenho mais responsabilidades, pois organizamos a folia. Por isso esses quatro últimos anos são inesquecíveis. Participei de cada detalhe da organização, contratação de atrações, programação – enfim, tudo.

Se fosse usar uma fantasia, qual escolheria? Por quê?
Usaria a dos Filhos de Gandhy, o mais tradicional afoxé do País. Quando não era prefeito e não tinha mandato, saía no Gandhy pelo que o afoxé representa para a cultura e a paz – e porque há uma tradição de trocar colares por um beijo.

Há algum risco de o funk e o sertanejo tomarem conta do carnaval no lugar de samba e axé?
De maneira alguma. Salvador é única, oferece a possibilidade de convivência de vários ritmos. Eu sempre digo que para cada banda de sertanejo ou funk que se apresenta em Salvador, uma banda baiana sai para tocar em outras capitais. Carnaval é diversidade e todos os ritmos são bem-vindos aqui.

Onde acha que vai passar o próximo carnaval?
Exercendo o cargo ou não, sempre gostei do carnaval de Salvador. Se Deus quiser, minha festa em 2017 será novamente aqui. / MARINA GAMA CUBA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.