Caneta em punho

Caneta em punho

Sonia Racy

02 Fevereiro 2013 | 01h09

Paulo Giandalia/Estadão

A noite era de Michel Temer, mas foi Marcela, a vice-primeira-dama, quem causou alvoroço, anteontem, no lançamento do livro de poesias do vice-presidente, Anônima Intimidade, em SP. Ela chegou à Livraria Cultura do Conjunto Nacional de mãos dadas com o filho, Michelzinho, de 4 anos.

O assédio de fotógrafos e jornalistas fez o caçula de Temer se agarrar à mãe e cair no choro. Para acalmá-lo, só mesmo a seção de livros infantis – onde Marcela e Michelzinho passaram grande parte do tempo. E acompanhados por seguranças. A inspiração para o livro? “Ah, isso só o Michel pode te dizer”, despistou.

Prevendo a longa fila que se formou, a editora aconselhou Temer a criar um carimbo – para agilizar o processo. Mas ele não aceitou. A Topbooks levou 800 dos 2.000 exemplares impressos, quase insuficientes para atender à demanda.

Na fila de autógrafos, um tímido Carlos Ayres Britto fez o staff da vice-presidência correr – para levá-lo à área VIP. O ex-ministro do STF, aliás, também assinou alguns exemplares. Amigo do vice-presidente, é dele o prefácio de Anônima Intimidade. Em meio ao assédio, Britto ganhou um livro de presente de Lygia Fagundes Telles, A Disciplina do Amor.

Afilhado político do vice-presidente, Gabriel Chalita foi assunto nas rodinhas de peemedebistas que prestigiaram a noite. E todos foram categóricos quanto ao lançamento da candidatura do deputado ao governo de SP, em 2014. O objetivo? Queimar Chalita, que almeja o Ministério da Ciência e Tecnologia de Dilma.

Depois do evento, Temer ainda passou no velório de Luiz Carlos Santos, na Assembleia de SP. Em seguida, voou para Brasília – onde acompanhou, ontem, a eleição para a presidência do Senado. /THAIS ARBEX