Calamidade 2

Sonia Racy

14 de janeiro de 2011 | 23h04

Rodrigo Santoro, nascido em Petrópolis, está desolado. “É profundamente triste ver o que está acontecendo. Além de ser importante lembrar que somos membros de uma mesma sociedade, onde é fundamental a ajuda de todos.” E chamou a atenção para a ONG Viva Rio, que recebe doações para as vítimas.

Marcos Palmeira, dono de sítio em Teresópolis, já calcula o prejuízo que teve na sua produção de alimentos orgânicos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.