Caixa estuda demissão voluntária para poupar R$ 2 bi ao ano

Caixa estuda demissão voluntária para poupar R$ 2 bi ao ano

Sonia Racy

22 de janeiro de 2019 | 01h00

PEDRO GUIMARÃES. FOTO: JOÉDSON ALVES/EFE

PEDRO GUIMARÃES. FOTO: JOÉDSON ALVES/EFE

Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica, está estudando como desarmar um bomba: 24 mil funcionários do banco (28% do total), contratados em 1989, terão direito a se aposentar este ano…

A Caixa estuda abrir Programa de Demissão Voluntária (PDV) que pode economizar até R$ 2 bilhões por ano se o processo for bem-sucedido.

Medida abrangeria
até 10 mil empregados

Explicando: pelo que se apurou, o programa de demissões abrangeria 10 mil empregados, segundo antecipou o blog da coluna no Broadcast ontem. E incentivaria parte dos potenciais 24 mil funcionários a sair voluntariamente.
A CE conta atualmente com 85 mil contratados.

No meio do caminho,
as perdas da Funcef

Mas por que o funcionário da Caixa, que tem direito a aposentar-se legalmente, optaria por um PDV?

Segundo fonte da equipe econômica, muitos contratados não querem sair por que continuam pagando por perdas registradas pela Funcef. Até o reequilíbrio das contas do fundo de pensão, tanto o banco quanto seus empregados mais antigos – meio a meio – estão contribuindo para fechar o buraco aberto pela má gestão.

O PDV ajudaria também a promover saída ordenada dos empregados. Além de abrir portas para oxigenação.
Se por um lado os que têm direito a se aposentar este ano representam 28% do efetivo do banco, por outro existem 6 mil concursados de 2014 querendo entrar.

Leia mais notas da coluna:
‘Os militares se prepararam para o País, os partidos não’, diz historiador
Eduardo Bolsonaro critica restrição do WhatsApp a 5 destinatários

Tudo o que sabemos sobre:

Pedro GuimarãesCaixa Econômica Federal

Tendências: