Caixa alta no Bandeirantes

Redação

22 de janeiro de 2009 | 06h00

Nem bem acabou de comemorar a “fusão” com Geraldo Alckmin, José Serra tem outra razão para festejar. Segundo o secretário da Fazenda Mauro Ricardo Costa, que acaba de chegar de férias, a arrecadação tributária do Estado em 2008 bateu na casa dos R$ 86,6 bilhões – um crescimento inédito de 20%. Descontada a inflação, o índice ainda fica nos 13,6%. Proporcionalmente, são números melhores que os obtidos pela União.

É claro que a São Paulo não cresceu nesse ritmo. “Além do crescimento da economia, esse resultado é fruto de ações como a nota fiscal paulista, substituições tributárias e programas de parcelamento de débitos de ICMS”, explica o secretário.

Somados os R$ 5,3 bilhões a receber pela venda da Nossa Caixa, o governo Serra entra em 2009 com um gigantesco caixa que chega em momento providencial, em tempos de crise. O que permite ao Estado, mesmo diante do sombrio cenário econômico, manter-se otimista: trabalha com crescimento orçamentário de 6%.

Já houve, no entanto, em dezembro, ordem de contingenciar R$ 1,6 bilhão do Orçamento de 2009. Cortam-se despesas correntes mas os investimentos de R$ 21 bilhões serão mantidos.

Leia outras notas no blog da coluna Direto da Fonte

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.