Cabo de guerra

Sonia Racy

15 de junho de 2010 | 08h09

A confusão não acabou. E no limite, a WWI pode perder o recém-comprado prédio onde funcionou o Hospital Matarazzo. Marcos Cintra, secretário municipal do Desenvolvimento e Trabalho de Kassab, está convocando o fundo para obter detalhes do projeto desenvolvido para o imóvel tombado.

A construção emblemática foi vendida no apagar das luzes da última gestão da Previ para o fundo privado. “Nós nos sentimos obrigados a analisar e, se for o caso, a intervir no processo da maneira que acharmos mais adequado para a cidade”, explicou ontem Cintra.

A Prefeitura tem como desfazer o negócio se não aprovar a ideia? “Pela legislação, o município de SP tem a preferência na compra”, alerta o secretário. Além de contar com o instrumento da desapropriação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.