Cabo de guerra

Sonia Racy

11 de janeiro de 2011 | 23h12

Um mês depois de reaberta, a sede da Igreja Mundial do Poder de Deus, no Brás, continua a incomodar a vizinhança. Alega-se que o templo desrespeita ordens judiciais, que preveem, por exemplo, reforma do prédio e combate à atuação de camelôs.

Luis Carlos Franco, morador da região, encaminhou novas queixas ao Ministério Público. Ele diz que, de seu apartamento, vê “vidros quebrados, furos no telhado ou remendos com madeira e reboco caindo de paredes”. E, segundo ele, funcionários orientam vendedores ambulantes sobre nova entrada do prédio em vez de reprimi-los.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.