Brecha jurídica

Sonia Racy

02 de fevereiro de 2011 | 23h10

A venda do Panamericano, do Grupo Silvio Santos, para BTG Pactual, nas condições acordadas, abre brecha para que outros bancos falidos entrem na Justiça e peçam isonomia de tratamento. Isto é: exijam legalmente que o Fundo Garantidor de Crédito dê a eles o mesmo tipo de ajuda dada ao Panamericano, segundo alertou ontem alta fonte do mercado financeiro.

O que seria isto? O FGC aceitou abrir mão de mais de 10% dos seus R$ 28 bilhões em caixa para salvar o banco, permitindo a transferência do ativo sem maiores estragos no mercado financeiro. Mas não exigiram qualquer contrapartida por parte de Silvio Santos. “Alguém imagina um outro banco quebrar deste jeito e seu dono sair completamente ileso, sem que seus outros bens ficassem bloqueados?”, pergunta a mesma fonte.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.