Brasil briga nos EUA para mostrar que respeita propriedade intelectual

Brasil briga nos EUA para mostrar que respeita propriedade intelectual

Sonia Racy

28 de fevereiro de 2020 | 00h15


Exportação  no porto do Rio de Janeiro. Foto: Estadão

 

A CNI e a AmCham – leia-se, a indústria brasileira e investidores americanos aqui – participaram anteontem, em Washington, de audiência pública do governo que tratou de um tema estratégico: retirar (ou não) vários países da Watch List – a lista de governos que não respeitam adequadamente os direitos de propriedade intelectual.

Segundo Abrão Arabe Neto, da AmCham, as duas “venderam” os avanços obtidos nessa área pelo País em 2019. Passo essencial para que ele tenha melhor imagem e atraia mais investimentos.

Lista de avanços

Ao que a coluna apurou, pelo menos três pontos foram destacados aos delegados da US Trade Representative. Primeiro, um plano nacional para reduzir em 80% a fila de patentes pendentes até 2021. Depois, a adesão do Brasil ao Plano de Madri sobre Marcas. Ele permite que a marca registrada num país seja reconhecida no ato por outros 120 signatários do acordo. Por fim, as muitas ações de combate à pirataria e ao comércio ilícito por aqui.

Agora, é torcer

O próximo passo é aguardar a nova edição do relatório do Special 301 (nome do processo), que a USTR divulgará em maio, torcendo para que o Brasil… esteja fora. Se estiver, os exportadores e a economia brasileira agradecem.

OMS briga contra
fake news do coronavírus

Demorou um pouquinho, mas aconteceu: o pessoal das fake news invadiu os domínios do coronavírus. Já tem gente mandando mensagem “em nome da Organização Mundial da Saúde”, pedindo dinheiro, solicitando informações reservadas de entidades e até criando loterias.

E a reação já veio. A OMS está avisando a todos, entre outras coisas, que não está mandando e-mails pessoais com tais pedidos. E aconselha que ninguém passe senhas nem entre em endereços digitais desconhecidos.

Carnaval,
folga geral

Dos 196 mil funcionários registrados para trabalhar, na base de dados da Pontomais, 153 mil não apareceram na terça-feira – um pelotão de 77%. Na segunda, foram 68%.

A plataforma Pontomais acompanha mais de 230 mil pessoas em 10 mil empresas. Em 2019, segundo ela, os números do carnaval ficaram entre 58% e 52%. Trânsito, dor de cabeça e ressaca estão entre as principais justificativas para as ausências.

Na cabeça

O elenco de Mal Secreto, série do Globoplay, começou a se preparar para o trabalho assistindo a uma palestra de Guido Palomba. O psiquiatra forense falou sobre a profissão dos médicos encarregados de avaliar o estado mental de réus e esclarecer à Justiça se há transtornos ou enfermidades que possam ter impacto nos processos.

No seriado, escrito por Bráulio Mantovani e Fernando Garrido, o público acompanhará a rotina de um desses profissionais, interpretado por Sérgio Guizé. O encontro ocorreu em São Paulo, onde a produção será gravada a partir de março. Também estão no elenco Viviane Araújo e Aílton Graça.

Bloco de peso

Termo mais buscado no Google em SP durante a semana do pré-carnaval, o Bloco do Silva também bateu recorde de público.

Com apresentações em São Paulo, Vitória, Salvador, Belo Horizonte e Rio, o cantor, que tem parcerias com Marisa Monte e Ivete Sangalo, somou 25.500 mil ingressos vendidos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.