Branco da paz

Sonia Racy

17 de junho de 2015 | 01h04

Líderes de religiões afro estão preocupados com a violência contra seus praticantes. Especialmente depois de domingo, quando uma menina de 11 anos foi apedrejada, no Rio, ao sair de um culto de candomblé.

Para o babalorixá e antropólogo da PUC Rodney de Oxóssi – do terreiro Ilê Obá Ketu Axé Omi Nlá – casos como este são frequentes. “É só a ponta do iceberg, apontando para uma crise de intolerância muito forte.”

Paz 2

O pai de santo se reuniu, no mesmo domingo, com outras lideranças para discutir possíveis ações na Justiça.