Bombacha

Sonia Racy

23 de julho de 2014 | 01h03

Consta que o fator “popularidade” não foi colocado na mesa de discussões pela cúpula da CBF para a escolha do novo técnico.

E a pelo menos um interlocutor Marin confidenciou por que não chamaria Tite: o relacionamento muito próximo do ex-comandante corintiano com Andrés Sanchez.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: