A liderança de Lula sobre Bolsonaro se concentra em quem ganha até dois salários mínimos por mês

Sonia Racy

13 de julho de 2021 | 00h50

 

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Adriano Machado/Reuters

A Arko Advice destacou, ontem, um aspecto curioso da pesquisa Datafolha sobre a sucessão presidencial: a divisão de voto por faixas de renda. Hoje, na simulação de renda de até dois salários mínimos por mês, a disputa esta 57% dos votos para Lula e 18%, para Bolsonaro.

Menos é mais?

Na faixa de dois a cinco salários mínimos mensais, o petista está numericamente à frente, mas tecnicamente empatado com Bolsonaro: 36% e 33%, respectivamente.

E a partir de cinco salários mínimos a dez, a vantagem é de… Bolsonaro. Cinco (41% a 21%) e dez (36% a 22%). Acima de dez, empatam.

Presentes

No domingo, em Porto Alegre, empresários gaúchos prestigiaram Bolsonaro. Não só acompanhando o passeio de moto, mas também comparecendo a almoço na NTX, casa de eventos da cidade. Destaque para Jorge Gerdau, Eduardo Logmann, Irineu Boff e Carlos Biedermann.

Ausente?

Conhecido empresário, com trânsito pelo Brasil, lamentou: “A melhor maneira de ajudar Lula a vencer as eleições presidenciais é apoiando Bolsonaro”.

Onipresente

Depois de convidar o ex-ministro Carlos Alberto Santos Cruz para ingressar no partido, o vice-presidente do PSL, Junior Bozella, almoça hoje com a viúva do senador Major Olímpio, Cláudia. O partido quer contar com sua imagem nas eleições do ano que vem.

Tijolos de Cacau

O Blue Mountain, de Campos do Jordão, foi comprado por Alexandre Costa, da Cacau Show. E vai se transformar em hotel temático. Mote? Chocolate, claro. Em parceria com a cadeia Txai, nasce o novo Bendito Cacau by Txai – sem previsão de abertura.
Tipo importação

A Miele – marca alemã de equipamentos de luxo para a cozinhas e lavanderias – desembarcou no Brasil pelas mãos de Evandro Kherlakian.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.