Bola no pé 2

Sonia Racy

20 de agosto de 2010 | 23h10

Goldman afirma não ter recebido qualquer pressão de Ricardo Teixeira, da CBF, para que resolva o impasse sobre a abertura dos jogos em São Paulo antes das eleições de outubro. “Seria até melhor que o próximo governador tomasse esta decisão”, sugere, reafirmando que o Morumbi continua sendo sua aposta mais factível e concreta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: