Para FHC, ‘papel do partido é ajudar’

Sonia Racy

09 Dezembro 2016 | 01h28

No final da tarde de ontem, quando eram fortes os indícios – depois não confirmados – de que Antonio Imbassahy seria o sucessor de Geddel Vieira Lima na Secretaria de Governo, FHC chegou a fazer comentários elogiosos ao tucano baiano.

“É um quadro competente, tem experiência. Trabalhou comigo, foi da Eletrobrás”, disse à coluna o ex-presidente.

A ideia de que, com essa nomeação, o PSDB passaria a ter quatro ministérios, foi vista pelo ex-presidente com naturalidade. Ministro a mais, ministro a menos, o que ele leva em conta é que o PSDB “tomou a decisão, lá atrás, de apoiar o governo porque a situação requer convergência e esforço.”

Assim, numa hora como a atual, ante os desafios social e econômico, “o papel do partido é ajudar”.