BioNtec e Pfizer devem ter, ainda em dezembro, resposta sobre Ômicron

BioNtec e Pfizer devem ter, ainda em dezembro, resposta sobre Ômicron

Sonia Racy

02 de dezembro de 2021 | 04h00

Enfermeira exibe vacina da Pfizer contra a covid. Foto: TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO 

Enfermeira exibe vacina da Pfizer contra a covid. Foto: TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

A BioNtech e a Pfizer já começaram os estudos do impacto da Ômicron na eficácia de sua atual vacina contra covid-19. “Esperamos resultados já em dezembro. Aí saberemos se é preciso desenvolver nova versão do imunizante”, explicou Marta Diez à coluna.

Desconfiança

A presidente da Pfizer no Brasil lembra que a tecnologia de RNA possibilitou encurtar o caminho de desenvolvimento de vacina. “Estimamos que, se for o caso de precisarmos de nova versão, serão necessárias seis semanas mais outros cem dias para a produção”, disse a executiva espanhola, que está no Brasil desde 2020.

Marta confirma a assinatura de contrato, nesta semana, com o governo brasileiro. “Esse prevê o fornecimento de 100 milhões de doses da vacina em 2022. E inclui opção de compra de outras 50 milhões de vacinas adicionais.”

Mas se houver necessidade de desenvolver nova vacina? O contrato, segundo Marta, já inclui possíveis novas versões do imunizante para variantes e para diferentes faixas etárias.

Mantida decisão

Fernando José da Costa, secretário da Justiça estadual, manteve decisão da comissão de discriminação racial, ligada à pasta, de condenar a TAM e agressor a pagarem multa. É o resultado de queixa prestada em 2012 por funcionário alegando ter sofrido discriminação de um colega. Consultada, a hoje LATAM disse “que nunca praticou ou permitiu ação discriminatória e que tem como premissa o respeito à diversidade”.

LETRA EM TELA

Está na incubadora série brasileira baseada no livro “Sobras de Ontem”, de Marcelo Vicintin. O autor, que participa hoje da FLAC (Festa Literária do Ceará), e o produtor Rodrigo Teixeira estão em conversas com roteiristas para iniciar a produção.

Vicintin também teve um conto publicado este mês na prestigiosa revista literária Granta – em sua edição portuguesa. O tema é a estação de esqui chilena de Portillo.

EM CENA

E “Morte do Pai” – um dos livros da série Minha Luta, de Karl Ove Knausgård – vai virar uma peça de teatro no Brasil. A obra, sucesso de público e crítica, fala sobre a relação do escritor norueguês com seu pai, intercalando o presente e o passado da vida do autor. O projeto é do Grupo 4 Pontas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.