Bandeja de ouro

Bandeja de ouro

Sonia Racy

18 de agosto de 2013 | 01h04

Foto: Paulo Giandalia/Estadão

Tem quem vá almoçar no Parigi às quartas e domingos só para ser atendido por ele. É seu Ático Alves de Souza, 87 anos, que serve o tradicional bollito misto do restaurante. Mãos ainda firmes, este baiano de Monte Amaro está no ramo desde 1949, quando iniciou carreira na Cambusa, cantina do centro de SP. De lá foi para o C’adoro e há 24 anos está no Grupo Fasano – embora conheça Rogério Fasano “desde criança”. Atualmente, além de perambular pelas mesas do Parigi, também atende os hóspedes no lobby do hotel Fasano, nos Jardins. Se pensa em aposentadoria? “Nada disso. Amo minha profissão. Sou um homem feliz e rico… só não tenho dinheiro”, diverte-se. Ático jura que já serviu Getúlio Vargas, Jango e o general Lott. Quem o vê no salão, com a impecável gravata-borboleta, não tem dúvida de que ele fala a verdade.