Bandeira tarifária vermelha 2 deve ser instituída na energia até dezembro

Bandeira tarifária vermelha 2 deve ser instituída na energia até dezembro

Sonia Racy

20 de maio de 2021 | 00h55

Foto: Daniel Teixeira/Estadão

“A bola vai bater na trave. A dúvida é se vai para fora ou vai para rede”. Com essa frase Adriano Pires – sócio fundador do Centro Brasileiro de Infraestrutura – define o futuro do setor elétrico, prevendo a instituição da bandeira vermelha 2 tarifária até o mês de dezembro.

Que o Brasil enfrenta crise energética provocada pela falta de planejamento e de chuvas, ninguém contesta. Mas o fato de a ONS ter alertado, por meio de ofício, um possível déficit ‘energético” já em novembro, aprofunda a preocupação. “Até agora, o receio era somente com o déficit de potência”, observa o especialista do setor energético.

Esse quadro poderia ter sido evitado caso o País tivesse adotado, nos últimos nove anos, “um planejamento preocupado com a segurança energética por meio de construção de térmicas a gás inflexíveis e mesmo nucleares”, completa. Em lugar disso, ficou refém do clima e promoveu grande volatilidade de preços.

É fato que o governo Dilma, quando resolveu baixar as tarifas em 20%, promoveu esvaziamento dos reservatórios. E de lá para cá, eles não conseguiram voltar ao nível considerado ótimo em função da falta de chuvas.

Nos is

Arthur Nestrovski, diretor artístico da OSESP, explica que é a Fundação OSESP que vai homenagear os 90 anos de FHC – seu presidente de honra.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.