Balança, mas…

Sonia Racy

10 de agosto de 2011 | 23h05

Sem ter a quem reclamar, a Ouvidoria de SP vive em perigo constante. As paredes da Galeria Olido, onde funciona a repartição, estão repletas de rachaduras e infiltrações, a fiação está exposta, os elevadores vivem quebrados e a garagem abriga uma “cascata”.

A resposta da Prefeitura para as reclamações dos servidores é sempre a mesma: não há dinheiro para as obras.

Com a palavra o Contru.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: