Ato petista trocou vermelho por outros tons na Paulista

Ato petista trocou vermelho por outros tons na Paulista

Sonia Racy

15 de outubro de 2019 | 00h45

CARTAZ SOBRE LULA NA PAULISTA, EM 13/10/2019. ARQUIVO PESSOAL

 

Reservadamente, integrantes do Comitê Lula no ato de domingo na Paulista admitiram: não foi por acaso que a cor vermelha foi praticamente retirada do material comemorativo. A ideia foi adotar uma paleta de cores mais ampla – amarelo e branco foram os tons dominantes.

O ex-prefeito Fernando Haddad, coincidência ou não, estava de camisa branca. Guilherme Boulos foi de preto e Gleisi Hoffmann de camiseta branca com o rosto do Lula entre flores coloridas.

Partido desconversa sobre
nova “identidade visual’… 

Indagado, o Comitê Lula Livre garante que “não teve decisão de tirar o vermelho” e que “a identidade visual da campanha é colorida”. E o material “mais amarelo agora” foi uma escolha do artista que produziu.

…e Haddad não garante 
PT fora da disputa

Perguntado, no evento, se o PT abre mão de candidato próprio em SP em 2020, em nome da unidade da esquerda, Haddad tergiversou. “São Paulo é uma cidade à parte. Tem um peso muito simbólico. Já foi governada pelo PT três vezes”.

Ou seja, vai ter candidato petista na disputa, sim.

STF, enfim, vai discutir
candidaturas sem partido 

Luís Roberto Barroso bateu o martelo no STF. Será dia 9 de dezembro a audiência pública sobre candidaturas sem partido –, assunto que rola na corte desde 2017.

A preocupação do ministro é compor uma plateia não só de setores diretamente interessados, como os partidos, mas também movimentos, associações e especialistas.

João Marcello lança livro
sobre sua mãe, Elis

João Marcello Bôscoli vai à Casa de Francisca na próxima terça-feira, 22, para falar do livro Elis e Eu, em que conta sobre os anos em que conviveu com a mãe.

O evento – que, de início, estava previsto para hoje e foi adiado –, inclui uma entrevista ao vivo, em projeto do Estadão, e um show da cantora Vanessa Moreno.

Paulistano comemora
100 anos de tetra

O clube Paulistano, nos Jardins,  comemora amanhã feito que nenhum outro clube de SP conseguiu: o tetracampeonato paulista de futebol, conquistado, com ajuda do craque Friedenreich, há um século – entre os anos de 1916 e 1919.

A exposição “100 Anos do Tetra’, produzida pelo Centro Pro-Memória, será aberta no Salão de Artes do clube.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.