‘Até os mais jovens mostram preconceito’, diz Preta Gil

‘Até os mais jovens mostram preconceito’, diz Preta Gil

Sonia Racy

09 de novembro de 2017 | 00h50

PRETA GIL

PRETA GIL. FOTO: RAFAEL CUSATO

Manifesto contra o preconceito e o ódio. É essa a ideia que Preta Gil quer passar com o clipe da música Vá Se Benzer, a ser lançado hoje. Criado em conjunto por Preta, Nizan Guanaes mais a equipe da DM9, o trabalho conta com a participação de Gal Costa – madrinha da cantora. “Crescem, a cada dia, os discursos de ódio porque as pessoas encontram espaço para tanto. Temos que continuar lutando’, ressalta Preta, que completa 15 anos de carreira.

Vá Se Benzer é um manifesto contra os ‘haters’, pessoas preconceituosas. Esse tipo de comportamento vem aumentando?
Não. Eu acho que essas pessoas só estão tendo mais voz. As redes sociais propiciam isso de ambos os lados, tanto para quem prega o respeito quanto para o contraponto: gente preconceituosa. Até os mais jovens mostram preconceito e isso, sim, dá desespero. Temos que continuar resistindo.

Você completa agora 15 anos de carreira. Já deu pra criar uma casca e se proteger de ataques?
Total. Tenho uma proteção muito forte. Você tem que saber quem você é, seus valores, seu caráter… Aí as pessoas podem falar o que elas quiserem. Se você tem a personalidade frágil, fica muito fácil ler algo que alguém escreve sobre você e vestir a carapuça. No começo, eu tomei muita porrada, fiquei assustada, não sabia lidar mesmo. Fui alvo porque era uma das poucas artistas que se expunha no sentido de mostrar quem sou de verdade.

Já no seu primeiro trabalho, você posou nua na capa do disco e o seu corpo foi muito discutido. Acha que foi precursora da discussão que temos hoje sobre padrões de beleza?
Acho. Sinto isso muito forte. Na época em que fiz essa capa de disco, eu me sentia muito só. Nenhum grupo ou movimento falava sobre autoestima e aceitação do corpo. Depois que percebi o quanto de moralismo, preconceito e gordofobia tinha nisso, me toquei que não estava falando só por mim, mas por muitas mulheres oprimidas e infelizes.

Você criou o conceito deste clipe com Nizan Guanaes. Como foi isso?
Percebi que eu queria alguém que me ajudasse a passar uma mensagem forte. E o chamei par dirigir! Ele ficou assustado e me disse que nunca tinha dirigido nada, mas que com sua equipe de criação, poderia conceber comigo a ideia. Adorei o resultado.

E a ideia de chamar a Gal?
Quando eu escutei a música, senti que precisava de uma voz para se unir com a minha. A Gal é minha madrinha de batismo, me viu crescer. Ela traz, simultaneamente, a maternidade e a força. Fazia 15 anos que ela não participava de um clipe. Prometi que ela só ficaria quatro horas no set… mas ela ficou oito.(risos). E cheia de energia. /MARCELA PAES

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: