Atalho entre EUA e Havana

Redação

02 de junho de 2009 | 08h02

Antes de deixar Brasília, para o encontro da OEA em Honduras, Celso Amorim falou ao telefone com as duas figuras chaves da reunião: o chanceler cubano Bruno Rodriguez e Hillary Clinton. Uma prévia do que o Brasil pretende no encontro.

Quer uma solução para que os cubanos “voltem à casa” sem a imposição de condições unilaterais, como pretendem os EUA, mas arrancando compromissos de Cuba para que volte a “falar a mesma língua” do grupo.

Veja também:
mais imagensArtista Janaina Tschäpe estreia exposição individual no Galpão Fortes Vilaça, na Barra Funda

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: