Arroz nosso de cada dia

Redação

23 de dezembro de 2008 | 06h00

O nome do ministro Marco Aurélio Mello, do STF, passou a ser pronunciado pelos produtores de arroz de Roraima em tom mais que respeitoso – quase como herói.

Ao pedir vista do processo sobre a reserva Raposo-Serra do Sol, ele não mudou nada, já que o caso está decidido a favor dos índios. Mas enquanto segura a decisão formal do Supremo – que não pode sair sem o seu voto -, ele dá o tempo que os fazendeiros precisavam para fazer sua colheita do arroz, a última, até o fim de fevereiro.

Não é pouca coisa. São 14 mil hectares de arrozais dentro das terras reivindicadas pelos índios, que garantem 66% da produção do Estado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: