Arma contra o desemprego

Redação

09 de janeiro de 2009 | 06h00

Paulo Skaf, da Fiesp, acrescenta novo ingrediente à ideia de reduzir a jornada de trabalho – com equivalente redução de salário – , que discutirá hoje com Paulinho, da Força Sindical. Os trabalhadores que fecharem acordo nos termos definidos pelo acerto entre empresa e sindicatos vão ganhar curso no Senai.

“Na redução temporária das horas trabalhadas, em lugar de ficar no trabalho poderão fazer curso grátis. E quando a crise passar, quem aderir estará mais qualificado a ganhar melhor”, disse Skaf à coluna.

De quantas vagas dispõe o Senai? Segundo o presidente da Fiesp, podem ser abertas 100 mil, 200 mil, 400 mil. “Temos como criar cursos conforme a necessidade exigir”, diz. Normalmente, eles custam de R$ 1 mil a R$ 2 mil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.