Ao contrário do que prevê governo, energia vai subir

Sonia Racy

14 de novembro de 2019 | 00h30

A intenção de Paulo Guedes, expressada ontem, em seminário em Brasília, de “derrubar o custo da energia no Brasil em 30% ou 40% nos próximos dois anos”, é mais que bem vinda mas considerada irrealista por especialistas como Adriano Pires, do CBIE. “A tendência hoje é desses preços subirem no médio prazo”, atesta.

Em 2020, é provável que o preço caia, mas as projeções tarifárias carregam incertezas, principalmente riscos climáticos e a energia de Itaipu cobrada em dólares.

Na outra mão, concorda com o ministro da Fazenda defendendo o fim da cessão onerosa. “Temos que voltar para o modelo de partilha”. A cessão onerosa foi “invencionice do PT em 2010”, lembra Pires.

Para tanto, o Congresso terá que aprovar novamente o modelo. José Serra entrou com projeto de lei nesse sentido, a ser debatido em audiência pública este ano.

Luz real

E a privatização da Eletrobrás? A fala do secretário da Fazenda Mansueto Almeida, afirmando que essa venda pode ficar para 2021, no meio da tarde de ontem, fez a ação… despencar.

Tira-teima

Marcos Pontes e Ricardo Salles anunciam segunda-feira os dados oficiais do Prodes, índice que calcula o desmatamento anual. E vão confirmar ou não os números do Inpe, que geraram a demissão do antigo diretor do Instituto, Ricardo Galvão.

A postos…

Major Vitor Hugo, líder do governo Bolsonaro na Câmara, reuniu aliados no seu gabinete na liderança para articular uma frente na Casa em apoio à criação do Aliança pelo Brasil. O encontro aconteceu após a reunião em que o presidente anunciou a saída do PSL. Participaram alguns dos 30 deputados – dos 53 do PSL – que vão migrar.

“O presidente está ansioso. Todos nós estamos. É complexa a saída para deputados e vereadores. Mas os advogados nos acalmaram”, disse à coluna.

… e online

Em menos de 24 horas, o Twitter oficial do Aliança já reunia mais de 60 mil seguidores. Curiosa é a lista de seguidores: não deu follow no vice, Mourão, mas segue o deputado Luiz Philippe  Orleans e Bragança. No Instagram, passaram de 100 mil apoiadores.

Ano novo, cine novo

A abertura definitiva do Cine Bijou vai ficar para janeiro. De acordo com Ivam Cabral, dos Satyros, responsável pela reabertura do icônico cinema, o valor de R$ 300 mil necessários para inauguração já foi alcançado.

Gostinho

Durante As Satyrianas, festival que começa hoje na Praça Roosevelt, o Bijou terá uma pré-inauguração. Filmes como Ralé de Helena Ignez, e Olho Nu, de Joel Pizzini, que retrata a vida de Ney Matogrosso, estarão na programação da mostra.

Bye, Bye

Fabio Porchat vai passar temporada longe do Brasil. Em dezembro ele parte para o México em férias com a mulher e depois vai para Los Angeles fazer um curso de roteiro na UCLA

Tendências: