Amizade tem hora

Redação

15 de maio de 2009 | 08h03

Amigos podem reclamar, mas o Itamaraty não vai mudar seu voto: para a direção-geral da Unesco, ele apoia o egípcio Farouk Hosni, por mais que se queixe o diplomata Márcio Barbosa, também candidato ao posto.

É tudo questão de prioridade. A diplomacia brasileira está empenhada, no momento, em duas cruzadas externas importantes – Ellen Gracie para a OMC e o Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas em 2016. Uma terceira pode ser demais.

Velho amigo de Celso Amorim, desde os tempos do Ministério da Ciência e Tecnologia, Barbosa esperava mais ajuda, mas o entendimento da casa é que sua causa, no fundo, é pessoal.

Como lembra uma velha raposa, há alguns anos o Brasil tentou emplacar dois nomes ao mesmo tempo, na OMC e no BID. Não levou nenhum.

Veja também:
mais imagensSP arte Feira Internacional de Arte de São Paulo tem abertura no pavilhão da Bienal, no Ibirapuera
mais imagensCasa Fasano recebe o evento Fashion Rocks
documentoOutras notas no blog da coluna Direto da Fonte

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.