Itamaraty vive um fim de governo agitado

Sonia Racy

08 de dezembro de 2018 | 01h00

ALOYSIO NUNES

ALOYSIO NUNES. FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADÃO

Comparado aos demais ministérios, o Itamaraty vive um fim de governo agitado. Aloysio Nunes volta a Montevidéu semana que vem para mais discussões no Mercosul e em seguida vai a conferência no Marrocos. Equipes do MRE participam de reunião sobre clima na Polônia, com a equipe do Meio Ambiente.

De quebra, a chancelaria já cuida, em Brasília, da chegada de dezenas de representantes estrangeiros para a posse de Bolsonaro.

Por outro lado

Na outra ponta, com poucas exceções, a principal atividade dos ministérios é ajudar… a transição. Marcos Jorge, da Indústria, saiu por uma semana para uma cirurgia e deve ir também ao encontro do Mercosul. Blairo Maggi, na Agricultura, não divulgou agendas.

Completando o cenário, há agendas com prazo de validade quase nulo. Édson Duarte, do Meio Ambiente, foi ontem para a Polônia defender no COP 24 as posições (atuais) do Brasil no combate ao aquecimento global, que o futuro governo não endossa. Carlos Marun, da SeGov, prepara visita a uma força-tarefa da Marinha… no Líbano. E duas funcionárias dos Direitos Humanos viajarão à Europa para “visitas técnicas” a instituições dessa área.

Leia mais notas da coluna:
Se não entrar pedra no caminho, Meirelles será secretário da Fazenda de Doria
Indígenas pedem que Funai fique no Ministério da Justiça

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: