Ajustando a rota

Sonia Racy

02 de março de 2013 | 01h10

Nota-se uma certa perplexidade com a situação da economia do Brasil – que ontem, por meio do IBGE, confirmou 2012 com crescimento de 0,9%.

E consequente corrida do governo Dilma atrás da atração do investimento privado, tentando convencer os agentes econômicos de que os projetos das concessões de infraestrutura são viáveis e as regras serão razoáveis e estáveis.

Rota 2

Por que isso? “É resultado de duas grandes apostas que não deram certo, feitas nos primeiros dois anos de Dilma”, explica José Roberto Mendonça de Barros, da MB Associados.

Primeira: a de que o PIB aumentaria por meio do investimento público. Segunda: a de que, promovendo a queda dos juros e a valorização do real, o investimento privado também cresceria por gravidade.

Nenhuma das duas apostas acabou acontecendo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: