Ainda doce

Sonia Racy

28 de fevereiro de 2011 | 15h51

Até agora, a turbulência no Oriente Médio não afetou as exportações de açúcar do Brasil. “Trata-se de uma commodity de primeira necessidade e, portanto, a última coisa que cortam”, contou ontem Rubens Ometto, da Cosan/Raízen.

Para quem não sabe, 35% das exportações de açúcar brasileiro têm como destino a região.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.