Ai que Eike

Sonia Racy

17 de agosto de 2010 | 23h05

Eike Batista, que arrematou quase tudo oferecido no leilão organizado por Wanderley Nunes (ver ao lado), provocou a irritação de José Carlos Semenzato, da Microlins. Declarou publicamente não estar ali para fazer apologia ao capitalismo e, sim, para ajudar na alfabetização das crianças de Paraisópolis.

Ao que o tycoon carioca reagiu: “Empresário tem que se coçar e fazer as coisas, olhar ao seu redor. A maioria eu não respeito”, afirmou à coluna.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: