Afeto documental

Sonia Racy

11 de abril de 2015 | 01h02

João Moreira Salles se emocionou ao falar de Eduardo Coutinho, anteontem, na abertura do É Tudo Verdade.

O cineasta terminou, com Jordana Berg, o filme Últimas Conversas, de Coutinho, que abriu o festival. “Não pensamos duas vezes antes de entrar na ilha de edição para finalizar o trabalho dele”, contou à coluna. “Foi doloroso, mas, pelo menos, pudemos estender nossa convivência com ele por mais sete meses.”

Afeto 2

O trabalho da dupla para preservar a memória do documentarista não para por aí. Há planos de lançar a obra completa de Coutinho pelo Instituto Moreira Salles em parceria com a Cinemateca. Além de um projeto de, mais à frente, fazer um documentário focado nele.

O que por enquanto, avisa Salles, é só uma ideia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: