Ação de petistas contra Huck não vai dar em nada, diz advogado

Sonia Racy

13 Janeiro 2018 | 00h45

LUCIANO HUCK

LUCIANO HUCK. FOTO: JOÃO MIGUEL JUNIOR/GLOBO

Como Luciano Huck não é candidato nem pediu voto, não vai dar em nada a representação dos petistas Paulo Pimenta e Lindbergh Farias, anunciada anteontem, pedindo que o TSE o considere inelegível pela entrevista dada à Globo. Ao fazer a avaliação, o advogado Arthur Rollo lembrou que o mesmo tribunal derrubou em 2017 liminar semelhante contra Bernardinho, tido como candidato ao governo do Rio.

A lei atual, diz o advogado, “só considera campanha quando alguém pede voto”.

Lei não diz nada
sobre pré-campanha

Rollo lembra, a propósito, que o novo texto, aprovado em 2016, limita gastos de campanha mas nada diz sobre… pré-campanha. Por lei, um candidato a deputado federal pode hoje gastar até R$ 2,5 milhões. “E nada acontece se ele gastar R$ 8 milhões na pré-campanha”, disse ele.

Leia mais notas da coluna:

Petistas não descartam decisão do TRF-4 já no dia 24

Ativista feminista critica carta de francesas