A top Aline Weber aposta suas fichas na interpretação

A top Aline Weber aposta suas fichas na interpretação

Sonia Racy

15 Abril 2017 | 00h20

Foto: André Nicolau

Foto: André Nicolau

A modelo catarinense Aline Weber gostou tanto de fazer uma participação especial no filme Direito de Amar, de Tom Ford, em 2010, que sete anos depois, ela resolveu se dedicar a arte da interpretação e se matriculou no tradicional curso Stela Adler, em NY. A moda, ramo que ela está há mais de 13 anos, não ficará de lado “Uma carreira não vai anular a outra”, conta Aline na entrevista a seguir.

Por que resolveu, depois de 13 anos como modelo, tentar a carreira de atriz? Agora tenho mais tempo e estabilidade na carreira para poder me dedicar a outras coisas que gosto. Uma delas, é atuar. Descobri o gosto pela atuação quando participei do filme Direito de Amar, de Tom Ford, em 2010. Foi uma cena curta, mas me deu uma ideia de como é atuar e acabei me apaixonando por tudo aquilo. Resolvi encarar o desafio e me matriculei na Stela Adler, uma escola de atuação tradicional em Nova York, que usa a técnica da imaginação. Temos aulas de estudos de cenas, técnicas de atuação, movimento corporal e voz. Estou adorando.

Como recebeu o convite para atuar em um filme de Tom Ford? Foi uma experiência incrível – e que plantou a sementinha do desejo do que eu estou vivendo agora. Tudo começou quando a Anna Wintour, editora da Vogue América, quis me conhecer. Ela foi bem simpática e me perguntou sobre vida, família e trabalho. Alguns dias depois, recebi o convite de Ford para fazer o filme. Foram três dias de filmagem. Ele é bem perfeccionista e simpático, foi ótimo.

Como pretende conciliar a carreira de modelo com a de atriz? Uma carreira não vai anular a outra. Sou uma modelo estudando atuação. Estou estudando, ainda, então não tenho muito como saber. Quando os trabalhos começarem a surgir, o jeito vai ser conciliar as agendas.

Acha que as profissões tem características parecidas? De certa forma, sim, porque na passarela ou até mesmo em uma campanha publicitária temos que emprestar nosso corpo e rosto para transmitir o que o estilista quer passar com a sua produção/peça. E é neste ponto que, muitas vezes, temos que interpretar alguns personagens bem diferentes do que somos na vida real.

Se pudesse escolher, com que diretor trabalharia? Sempre fui fã de filmes. Gosto desde os mais antigos, como Taxi Driver, aos mais atuais. Fica difícil escolher um diretor só, porque cada um deles tem uma visão e um jeito diferente. Alguns dos meus favoritos são: Ronan Polanski, Steven Spielberg, Wes Anderson, Martin Scorsese e Woody Allen.

Já recebeu convites para atuar em outros filmes? Logo quando saiu o filme do Tom Ford, também fui convidada para fazer um teste para um dos filmes da franquia Transformers. Tem vontade de fazer novelas no Brasil? As novelas brasileiras estão cada vez melhores, assim como os filmes. Fazer novela seria algo bem diferente do que estou planejando, mas não vejo motivos para não fazer./SOFIA PATSCH