A que ponto…

Sonia Racy

10 de agosto de 2011 | 23h06

Luiz Marinho almoçava no Rodeio dos Jardins, sexta, quando foi “atropelado” por um desconhecido: “O senhor foi ministro do Collor?” Ao que o prefeito de São Bernardo retrucou: “Não, do Lula!”.

A confusão não inibiu o aflito senhor: “Tô com problema num terreno em Itanhaém e preciso da ajuda do governo”. E emendou: “A comissão é de R$ 5 milhões, terei prazer em dividir”. Entregou seu cartão a Marinho e foi embora.

Perplexo, o petista leu: J. C. de Oliveira, consultor de imóveis.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: