A propósito…

Sonia Racy

25 de maio de 2014 | 01h04

Se o governo tivesse reajustado a tabela do IR, conforme pleiteia a OAB desde março, por meio de ação no STF, a discrepância seria menor. Feito o reajuste de 62% (defasagem medida pelo Dieese a partir de 1996), estaria isento quem ganha até R$ 2.758.

Marcus Vinicius Coêlho, presidente da OAB, não tem dúvidas: “A União se furta a fazer a correção com o propósito de arrecadar mais”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: