A previdência dos informais

Redação

01 de maio de 2009 | 06h00

São Paulo tem “um Uruguai inteiro” de autônomos não regularizados, calcula o secretário Guilherme Afif. São 3 milhões de pessoas – e é nelas que o Estado começa a mirar, para incluir como contribuintes.

A partir de 1º de julho, quem é autônomo e ganha até R$ 3 mil poderá se regularizar pagando R$ 55 reais por ano. Afif menciona, como uma das vantagens da formalização de atividade, o acesso mais fácil ao crédito.

E a burocracia? “Não, não haverá procedimentos burocráticos. E ainda haverá o benefício da nota fiscal paulista”.

Dos R$ 55 a serem pagos, só R$ 1 real vai para o Tesouro estadual. Os outros R$ 54 vão para o sistema de previdência social do Estado.

Veja também:
documentoOutras notas no blog da coluna Direto da Fonte

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.